Trabalhar demais não vai te fazer feliz (e nem rico). Descubra por quê!

Reprodução

Em 1930, John Maynard Keynes previu que o aumento da produtividade permitiria que as pessoas trabalhassem muito menos horas um século depois. Nós nos tornamos muito mais produtivos – a produção por hora trabalhada aumentou mais de quatro vezes entre 1950 e 2012, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. Mas a quantidade que trabalhamos não caiu. Nos Estados Unidos, o ano médio de trabalho passou de 1.963 horas em 1950 para 1.790 horas no ano passado, uma queda de menos de 10%.

Isso levou algumas pessoas a se perguntarem: chegou a hora de as pessoas trabalharem menos? Os psicólogos estão fazendo uma pergunta relacionada: as pessoas estão aprendendo demais e comprometendo sua felicidade no processo? A pesquisa sugere que a resposta para essa segunda pergunta é sim.

A busca da felicidade, por exemplo, é um dos princípios norte-americanos – Thomas Jefferson chegou a incluí-la na Declaração de Independência dos EUA – ironicamente, foi lá que rolou um salto assustador da quantidade de horas trabalhadas por cada habitante. O problema é que as pessoas nem sempre são muito boas em prever o que as fará felizes. Isso é em parte porque fazemos escolhas que podem parecer boas na época, mas não nos deixam mais felizes.

A questão fornece muita forragem para pesquisadores psicológicos. Christopher K. Hsee, Theodore O. Yntema Professor de Ciência Comportamental e Marketing na Chicago Booth, passou duas décadas realizando pesquisas na interseção da psicologia, economia e felicidade como líder no campo emergente da “hedonomia”, um termo que ele cunhado em um artigo de 2008 com Reid Hastie, professor Robert S. Hamada de Ciência Comportamental no Chicago Booth, e Jingqiu Chen da Universidade Shanghai Jiao Tong. “Enquanto a economia estuda como maximizar a riqueza com recursos limitados, a hedonomia estuda como maximizar a felicidade com riqueza limitada”, explicam os autores.

Os hedonomistas vêem a si mesmos como uma abordagem complementar à visão de mundo de um economista tradicional, tratando a felicidade quase como um resultado duplo. O objetivo do hedonomista é entender por que as pessoas cometem erros ao prever o que as fará felizes e ajudar a repensar suas escolhas.

Quando menos é melhor

As pessoas geralmente só enxergam um lado quando fazem uma compra ou qualquer tipo de decisão, mas esquecem que provavelmente se sentirão diferentes depois – o que os psicólogos chamam de “projeção”. A tatuagem que uma mulher quer aos 17 anos pode ser menos emocionante aos 50. O saco de dois quilos de carne de porco que um homem compra quando faz compras com o estômago vazio pode parecer menos apetitoso algumas horas depois. O erro aqui é que os compradores se concentram em como se sentem no momento da compra e negligenciam como se sentirão no futuro.

Como as pessoas se concentram em como se sentem no momento da compra, elas podem pensar que quanto mais melhor, apenas para descobrir mais tarde que isso pode não ser o caso. Digamos que você esteja em uma loja de eletrônicos escolhendo entre duas televisões de tela plana. Você opta pelo modelo mais caro que oferece melhor definição, o que é perceptível quando você compara os dois televisores lado a lado. De acordo com Hsee, seria satisfatório comprar o modelo mais barato e de baixa definição. Isso porque, uma vez que você leva a televisão para casa, longe do modelo de alta definição, você não poderá detectar os pixels ausentes e terá mais dinheiro no bolso.

De fato, mesmo quando as pessoas pensam que “mais” é melhor no momento da compra, às vezes a experiência delas é pior. Hsee descobriu em um estudo que as pessoas estão dispostas a pagar mais por um copo cheio demais com menos sorvete do que um com menos, quando julgam as duas porções separadamente, mas não quando as julgam juntas. Imagine que você está na praia com sua família e sai para comprar um sorvete para todo mundo. Apresentado com as duas opções, você compra o copo sub-cheio porque tem mais sorvete. Mas pense sobre isso da perspectiva de seus filhos: eles só veem o sorvete que você traz, um transbordando ou um pouco cheio. Para os seus filhos, a xícara cheia demais provavelmente os deixará mais felizes, mesmo que contenham menos sorvetes. O estudo de Hsee mostra que as pessoas, quando apresentadas com apenas um sorvete em vez de oferecerem uma opção, estão dispostas a pagar mais pelo copo cheio demais com menos sorvete.

Isso sugere que as pessoas assumem facilmente que quanto mais melhor, quando, em um exame mais detalhado, isso não é necessariamente verdade. Hsee estende essa linha de pesquisa, em última análise, para o local de trabalho.

Testando a teoria

Trabalhar demais não vai te fazer feliz (e nem rico). Descubra por quê!

Reprodução

As pessoas estão trabalhando demais? Um pesquisador psicológico que tentasse determinar a resposta primeiro precisaria perguntar: como saberíamos? Se alguém trabalha muito, essa pessoa pode ter razões perfeitamente boas. Talvez ela queira economizar dinheiro suficiente para se aposentar confortavelmente, ter uma reserva de dinheiro para emergências ou ter dinheiro para repassar aos herdeiros. Para responder à pergunta, Hsee e seus colegas tentaram remover todos os fatores complicadores para estudar a psicologia subjacente.

Fazer isso é “uma vantagem e não um defeito ou compromisso”, diz Hsee. Seu raciocínio é que, se você remover as razões pelas quais as pessoas têm que ganhar mais dinheiro e ainda assim descobrir que elas trabalham demais ou ganham demais, “isso mostra que o excesso é real”.

Para descobrir, Hsee e seus colegas Jiao Zhang, da Universidade de Miami, Cindy F. Cai, da Universidade Shanghai Jiao Tong, e Shirley Zhang, PhD, desenvolveram experimentos que descrevem em seu artigo sobre o tema.

Primeiro, os pesquisadores fizeram um experimento no qual estudaram como os participantes acumulavam chocolates. Eles dividiram em duas fases: uma fase de ganho e uma fase de consumo. No primeiro, cada participante estava sentado em um computador e ouvia uma agradável música de piano do videogame Final Fantasy X. Enquanto ouviam a música, as pessoas tinham a opção de simular o trabalho pressionando um botão que interrompia a música com um ruído breve e desagradável semelhante ao som da madeira serrada.

Certamente o trabalho é mais agradável do que o som da madeira sendo serrada? Muitas pessoas gostam do seu trabalho, mas essas pessoas são uma minoria da força de trabalho global, diz Hsee. De agricultores na Índia e trabalhadores da construção civil na China a banqueiros de investimento e advogados em Londres e Nova York, muitas pessoas não desfrutam de seus empregos, mas continuam a trabalhar para ganhar mais. “Eu acho que [o som desagradável] é representativo de muitos trabalhos que as pessoas particularmente não gostam”, diz Hsee.

Quanto mais vezes um participante apertou o botão, mais chocolates ele ganhou. Os pesquisadores usaram as recompensas para definir “ganhadores de alto rendimento” e “ganhadores de baixa renda”. Alto salário foi dito para pressionar o botão de ruído 20 vezes para ganhar um chocolate. Os que tiveram menos sorte tiveram que pressionar o botão 120 vezes para ganhar um chocolate.

Na fase de consumo, cada participante aproveitou os chocolates que ganhou. No entanto, os participantes tinham sido informados antes que o experimento começasse que eles não tinham permissão para levar qualquer sobra com eles quando o experimento acabou, o que eliminou uma razão para ganhar mais do que eles poderiam comer. Os participantes, logicamente, também não tinha razão para dizer que “trabalhar”, nesse cenário, era agradável.

Na fase de ganho, os participantes pressionavam e reprimiam consistentemente o botão para simular o trabalho. Esta tendência foi particularmente pronunciada entre os trabalhadores com rendimentos elevados, que só tiveram que pressionar o botão de ruído 20 vezes para ganhar um chocolate. Eles ganharam 10,7 chocolates em média, mas comeram apenas 4,3 deles, deixando o resto desperdiçado. Pessoas que tiveram que apertar o botão de ruído 120 vezes para um único chocolate não apresentaram o mesmo padrão; eles ganharam 2,5 chocolates em média. Mesmo que os trabalhadores de alta renda fossem seis vezes mais produtivos do que os de baixa renda, os trabalhadores de alta renda não reconheciam que podiam se dar ao luxo de relaxar e ganhar um pouco menos.

Hsee diz que isso indica acumulação sem sentido. Os participantes se concentraram muito em seu contexto imediato, ouvindo barulhos para ganhar chocolates. Eles pensaram pouco sobre a experiência de realmente desfrutar dos frutos – ou, neste caso, dos chocolates – de seu trabalho. As pessoas se concentravam na questão imediata de apertar ou não um botão e não conseguiam pensar em quanto chocolate queriam. Eles apertaram o botão até que se cansaram, em vez de decidirem que queriam ganhar, digamos, cinco chocolates, ganhar tantos e depois relaxar. Como resultado, eles acabaram pressionando o botão mais do que o necessário para ganhar o número de chocolates que acabaram comendo.

Pense primeiro, depois trabalhe

Será que um simples lembrete inspirando as pessoas a pensar em quantos chocolates elas realmente querem reduziria a tendência de acumular chocolates sem pensar? Para descobrir, os pesquisadores realizaram um segundo estudo, e começaram perguntando primeiro a metade dos participantes sobre quantas recompensas eles gostariam de ganhar.

Os pesquisadores introduziram outra reviravolta no paradigma experimental: desta vez, os participantes tiveram que consumir todas as recompensas que receberam. Como os pesquisadores não poderiam alimentar chocolates eticamente à força aos participantes, eles mostraram aos participantes que ganharam piadas que apareceram na tela do computador. Os pesquisadores exigiram que os participantes “consumissem” todas as piadas que ganharam em uma janela de três minutos. Como as piadas apareciam automaticamente, isso significava que, se um participante ganhasse muitas piadas, elas apareceriam e seriam substituídas por uma nova piada muito rapidamente.

Se um participante ganhasse muitas piadas, ele teria tempo de ler cada uma e desfrutar de uma boa risada. Se ele ganhasse mais, no entanto, cada piada rolaria tão rapidamente que ele não teria tempo para ler, processar e rir.

O estudo teve o efeito desejado. Os participantes que iniciaram o estudo espontaneamente ganharam 11,3 piadas, muito mais do que puderam desfrutar. Mas os participantes que primeiro pensaram em quantas piadas queriam ganharam uma média de 6,9 ​​piadas, pouco acima do ideal. Mais importante, esses participantes, quando perguntados no final do estudo sobre seu nível de felicidade, relataram ser significativamente mais felizes do que aqueles que não fizeram previsões. Quando as pessoas prestavam um pouco mais de atenção ao quanto pensavam que gostariam no futuro, em vez de se concentrarem apenas na decisão imediata de trabalhar ou não, elas trabalhavam menos e ficavam mais felizes.

Do laboratório para a vida real

Trabalhar demais não vai te fazer feliz (e nem rico). Descubra por quê!

Reprodução

Hsee observa que a pesquisa atual é baseada apenas em experimentos simples de laboratório, mas fornece evidências iniciais de que as pessoas trabalham demais sem razões óbvias. Os resultados ilustram uma tendência comportamental de acumular bens sem pensar e pode revelar-se em situações mais complexas, como o local de trabalho. Mesmo quando as pessoas em um laboratório são produtivas o suficiente para poder deixar de trabalhar para chocolates, elas continuam acumulando chocolates. Da mesma forma, ele diz que as descobertas do estudo sugerem que, mesmo quando as pessoas podem deixar de trabalhar por dinheiro, elas podem continuar acumulando dinheiro sem parar para considerar se realmente querem.

Hsee espera que as pessoas qualificadas para realizar estudos de campo abordem a teoria levantada por ele. Os estudos de campo serão turvados por fatores complicadores e não poderão oferecer as conclusões claras que um experimento de laboratório pode, mas refletirão a realidade. “Não estamos afirmando que nosso resultado se aplica diretamente à vida real, mas sugerimos que seja uma possibilidade”, afirma Hsee.

Embora os resultados do laboratório ressaltem uma tendência de superaprendizagem, eles também sugerem um antídoto, diz Hsee. Se você tiver a oportunidade de fazer um trabalho extra e ganhar mais algum dinheiro, por exemplo, pense se vale a pena trabalhar nessas horas extras. O trabalho adicional poderia ser agradável, ou poderia avançar em sua carreira, mas tomar a decisão conscientemente. A pesquisa não pode dizer se você deve ou não trabalhar menos, mas sugere que, se você dedicar um tempo para fazer a pergunta, poderá obter uma boa resposta.